Quarto . aluga-se

O Jornal online inglês The Independent noticia hoje o crescimento no UK dos casos de aluguer de quartos subordinados ao novo conceito sex-for-rent, que aparecem assim os jornais ou Internet:

quarto aluga-se

“Money is not an issue, I would prefer some company. There are some stipulations to the living arrangements which we would need to discuss directly. This would be a mutual benefits arrangement. Free rent, paid in other methods. Please contact me for more details.”

É que as rendas nas grandes cidades do Reino Unido estão de tal maneira caras que têm induzido a proliferação destes “negócios”.

Alguns senhorios não vêem problema nesta prática, dizem que se trata de uma situação win-win. Ao que chega o liberalismo…

 

 

Desordem amorosa – Lisboa

quando perdes tudo livroA desordem amorosa que “ataca” por vezes os cidadãos, nesta sociedade individualista em que vivem os lisboetas.

Uma mulher bem casada e que gosta do marido pede o divorcio e vai viver com um homem casado só porque, com ele, encontrou transes sexuais do outro mundo.

Um homem que vive com a amante ainda “faz uma perninha” com a ex-mulher nos dias em que vai visitar o filho…

Tudo isto nos conhecidos cenários  do Jardim da Estrela, aeroporto, Santa Apolónia…

É um romance divertido, escrito por uma jornalista, pasme-se (!), colaboradora do Correio da Manhã…

A Pós Democracia

 

macron le penO sociólogo britânico Colin Crouch, descreve assim a “pós-democracia”:

Ainda que as eleições certamente existam e tenham a capacidade de mudar governos, o debate público eleitoral é um espetáculo exiguamente controlado, orientado por equipas rivais de especialistas profissionais nas técnicas da persuasão e limitado à pequena gama de temas escolhidos por essas equipas. A generalidade dos cidadãos têm um papel passivo, dormente, até apático, não fazendo mais do que reagir a sinais que lhes são transmitidos. Por detrás do espetáculo que é o jogo eleitoral, a política é, na realidade, definida nos bastidores numa interação entre governos eleitos e elites que representam os interesses empresariais“.

E, digo eu, não há forma de dar a volta a este estado das coisas. Tudo é feito na mais estrita legalidade democrática…

A AMANTE HOLANDESA

 

Para além de por ema amante holandesa rentes carvalho evidência de uma forma muito competente o atraso moral, social, económico do Portugal salazarento da emigração e da guerra colonial, este livro mostra que a inveja se baseia sobretudo na imaginação do invejoso.

Com base naquilo que o invejoso observa e ouve falar do invejado, o invejoso constrói um mundo de pressupostos que ampliam as qualidades do objeto da inveja (neste caso da amante), aumentando com isso, artificialmente, a intensidade da inveja.

Teatro Trindade, Abril 2017

Casaram-se “por interesse”. Agora dão-se mal…

Um clássico.

Assistindo quem medo virgínia woolfao desenrolar da representação o espetador não sente suspense, nem o sentimento de “dejá vu” . A culpa não é dos atores, que se esforçaram bastante; é que o texto não ajuda…

A utilização sistemática de palavrões tira dimensão dramática aonde ela devia estar, mostrando de chofre o que está na origem dos desentendimentos conjugais. Não deixa que o espetador adivinhe.

Uma americanada, pensei; uma pílula americana!

Saí do teatro perguntando a mim mesmo porque razão tanta fama para este texto.

Talvez por  ter sido interpretado em tempos por dois grandes atores da ribalta americana…

Virgínia Woolf, se soubesse, dava saltos na tumba! Oportunistas!

Animais de estimação

Quanto mais conheço as pessoas mais gosto do meu cãozinho!

Dizem certas pessoas; aquelas frustradas de não lhes ser permitido castrarem e chiparem a sogra, a mãe, o marido, os filhos.
cão ao colo
 É que os cãozinhos não pedem para mudar o canal da televisão, não desejam sair à rua quando o dono lhe apetece ficar em casa, não contestam o local nem a data das férias, só comem ração sem sal nem sabor, se fugirem de casa a polícia devolve-os à procedência, etc., etc… pois são castrados e chipados…
Ah! e dão muitos beijinhos lambendo o dono, às vezes depois de terem cheirado e mordiscado uma feijoada azeda derramada junto ao caixote do lixo público…