O preço da chantagem…

síria

A UE está hoje a dar 2.000.000.000€ por ano à Turquia para conter o fluxo migratório para a Europa a partir de lá. Eles agora dizem que o preço subiu para 5.000.000.000. Temos todos que pagar!

Ah! este aumento de preço tem a ver com o aumento previsível de fugitivos que querem agora atravessar a fronteira da Turquia, porque… ela, Turquia, começou a bombardear as casas desses fugitivos…

Não está nada mal pensado.

Corona-V e Aquecimento Global

boing 737 max 8

Com as restrições cada vez maiores às viagens turísticas e outras, principalmente por avião, as emissões de CO2 e NO2 no planeta Terra vão diminuir drasticamente também…

Muitos milhares de aviões de longo curso estão a ficar colados ao chão, com os motores parados. A crise começou com os Boeing 737-Max que estão estacionados no solo (mais de 1.000 aeronaves destas paradas vai para um ano) desde que se descobriu que tinham um defeito de fabrico que pode ser fatal para quem neles viaje… um moderno avião destes queima 32.000 litros de querosene (petróleo de iluminação) de cada vez que voa entre Paris e Nova York. De regresso gasta outros tantos litros!

E as excursões de autocarro também diminuíram drasticamente em zonas aonde a epidemia se instalou… Alguém arrisca ir numa excursão a Itália, de autocarro? Alguém arrisca fazer uma excursão ao Lago Liangzi a partir de Wuhan (nem o deixavam, já que as mesmas não são autorizadas em cidades de quarentena…). Quem se arrisca a fazer um cruzeiro nos tempos que correm? Toda a gente se vai lembrar do navio japonês Diamond Princess, recheado de pessoas infetadas).

navio cruzeiro

De repente, milhões de litros de querosene deixam de ser queimados, todos os dias. E outros milhões de litros de gasóleo ou fuelóleo pesado (o grande responsável pelo gás poluente NO2).

Alterações implementadas pelo homem mas… por medo da morte a curto prazo! Na verdade, o receio de que os nossos filhos e netos não consigam sobreviver num planeta destruído por nós, não nos motiva a arrepiar caminho nas políticas energéticas desastrosas que temos seguido, mas se algo acontecer que nos ameace a vida a curto prazo, nós estamos prontos a  atuar. Egoístas!

Para os religiosos, trata-se da mão de Deus, a dar uma ajudinha na descarbonação do Planeta Terra. Assim se fala na gíria religiosa.

Mas há uma gíria cientifica equivalente, que refere o perigo que é, para a saúde pública, haver grandes conglomerados de zonas habitacionais (Wuhan tem 11 milhões de habitantes, metade de Pequim, 5 vezes mais que Lisboa). Nesses sítios é muito difícil combater uma doença contagiosa, devido à proximidade física entre os seres infetados e os saudáveis. Situação agravada pela grande mobilidade com que um infetado pode deslocar-se na superfície terrestre (10 horas de voo da China à Europa – 8.000 km). Os grandes aeroportos estão sempre junto a grandes cidades.

O Corona-V tem mais poder para cancelar o aeroporto do Montijo que todos os autarcas, ministros e presidente da república de Portugal.
Será por causa dele, Corona, que o aeroporto não se construirá, uma vez que se prevê diminuição drástica de voos aéreos em todo o mundo. E em particular na Europa, que já foi considerada uma região de alto risco na propagação do vírus.

Na fotografia seguinte, da NASA, vê-se aonde, na Europa, se concentra grande quantidade de NO2.

NO2

Nascer & Morrer

bebé e velho

A mediatização que se está a fazer dos projetos de lei sobre a despenalização da eutanásia, obriga-nos, mesmo que não queiramos, a pensar nestes dois momentos da vida de todas pessoas, homens e mulheres. E animais também, mas isso é outra conversa…

O que sentirá um bebé no ato de nascer? o que sentirá uma pessoa quando está a morrer? (na hora da morte – amen).

À luz da neuro ciência nós somos máquinas em toda a acessão da palavra “máquina”. Tudo o que se passa em nós, enquanto seres vivos, é regulado e tem origem em enzimas, correntes elétricas, hormonas sintetizadas nas glândulas endócrinas e noutras, etc.

Por outras palavras, um ser vivo não é mais que um corpo de matéria orgânica e mineral, animado por contextos físico-químicos  que se sucedem, regulados por um programa informático – o ADN. Na Bíblia chamam a esse contexto “sopro de vida”.

Se assim for, é natural que o bebé tenha fortes sensações quando está a nascer. Pois quando estava dentro da barriga da mãe, grande parte das suas funções vitais ainda não tinham condições para entrar em funcionamento. Mal comparado seria como um automóvel acabado de sair da linha de montagem que ainda nunca teve o motor a trabalhar, nem o ar condicionado ligado, nem o limpa-vidros a funcionar…

O bebé já nasce com o coração a bater e o sangue a circular, mas ainda não sentiu a sensação da luz a estimular o nervo ótico, nem a sensação do ar a entrar e sair dos pulmões, nem sequer a sensação de comida na boca a solicitar que seja salivada e engolida. Até a sensação de prazer parece só ter quando, logo a seguir ao nascimento, o bebé faz xixi. Que alívio!

E na hora da morte?

Uma coisa sabemos nós; “o sono é a antecâmara da morte”. Lugar esse que permite apreciarmos o que se está a passar, a morte, como se fosse um sonho; agora nem sinto o coração, e já não consigo abrir os olhos, nem levantar um braço. Que sonho tão estranho!

É muito provável que, quem tem a sorte de sair deste mundo passando antes pela antecâmara “o sono”, tenha morte mais tranquila e menos dolorosa do que se for “empurrado” para fora desta vida por uma morte rápida, fulminante; um desastre violento ou um suicídio à bala ou “à corda”. Mas mesmo nestes casos haverá uma antecâmara: o estado de coma.

Uma coisa é certa; se estamos em grande sofrimento físico e ou psicológico, a morte chega muito mais de vagar, multiplicando por mil o sofrimento sentido, à semelhança da sensação que temos quando o autocarro “nunca mais” chega. Cada minuto que passa parece meia-hora. Parece e é! nestas coisas a subjetividade é que conta. O sentir é que conta. É legítimo desejarmos acelerar a “coisa”.

Acelerar sim, mas que não sejam outros a matar-me, como já escrevi aqui   e aqui.

Conduzir sem matrículas

Quem coneto mouranduz calmamente um carro sem matrículas, à noite, está mesmo a por-se a jeito para ser preso pelo polícia, na operação stop.
Só não foi preso porque era juiz, e estamos num país da treta.
É que o final da história foi os polícias terem que pagar milhares de euros de indemnização, ao juiz,  pelo incómodo que teve em ter que parar numa operação stop! Conduzindo um carro sem matrículas… como se de um vulgar meliante se tratasse.

O que faria se os polícias tivessem apreendido o carro, como era seu dever…

Eutanásia…

pulseira eletrónicaDeixem-se de hipocrisias.
O que está aqui em causa é saber se uma pessoa com baixos rendimentos, estando em sofrimento extremo, tem ou não direito a decidir morrer caso o Estado não lhe queira pagar um tratamento que custa €30.000 / ano, todos os anos.
Não poder beneficiar de tal tratamento é equivalente a ser condenado ao Inferno, às chamas na companhia de um verme cornudo, até que a morte o os separe !!!

diaboConheço um caso desses em que os filhos do homem em sofrimento caíram na asneira de pô-lo num hospital privado. Seis meses depois a filha mais nova pôs o andar em que vivia à venda para pagar a conta do hospital. O filho mais novo não fez o mesmo porque a mulher não deixou. Tirem as vossas conclusões…

Portanto, sou pela defesa do Direito ao Suicídio. Que implica o desenvolvimento de kits (ver pulseira da imagem) de suicídio, fáceis de usar, em que fica evidente que a pessoa deseja um desses Kits usa-o sem auxílio de ninguém. Basta carregar no botão!

É sempre bom lembrar que HOMICÍDIO NÃO É A MESMA COISA QUE SUICÍDIO. Matarem-me não é a mesma coisa que eu matar-me.

Não mudei de opinião nos últimos 4 anos…

Corona-V, de mal a pior…

corona virus 2Ingénuas são as pessoas que, como eu, não desconfiaram dos números de infetados e de mortos declarados oficialmente por Pequim.

Mesmo aqui no ocidente, quando há uma epidemia  ou um problema de contaminação de alimentos, as entidades oficiais tendem a declarar números de ocorrência menores que os registados na realidade, para não provocar o pânico, dizem…Lembrem-se dos pepinos espanhóis infetados, como acusava a Sra. Merkel.

O jornal Le Monde noticiou, hoje de madrugada, que houve uma reviravolta espetacular na forma como Pequim está a lidar com a epidemia. Foram afastados os dirigentes das zonas mais afetadas pela doença e foram substituídos por outros responsáveis com ligação mais estreita aos políticos centrais. Aparentemente os novos responsáveis são políticos da confiança do Grande Lider Xi Jinping.   Como se combater uma epidemia não fosse uma questão técnica, em vez de uma questão política.

Os novos dirigentes deixaram transparecer para os média que os infetados podem não ser cerca de 1.600 como diziam ontem, mas sim 14.500 (quase 10 vezes mais). Entretanto, o jornalista que noticiou material não oficial sobre a epidemia, Chen Qiushi, desapareceu dos radares!

Outra informação que nos chega hoje afirma que até agora o processo de rastreio dos infetados é pouco mais que aleatório, pois 1 em cada 3 rastreados é mandado para casa com análise negativa quando, realmente, é portador da doença ! Vai para casa infetar mais uns quantos !

Concluindo; por cá, NADA SE SABE DO QUE SE PASSA COM ESTA EPIDEMIA.

Surto já custou mais de 130 mil milhões à China

De costas viradas para o céu

corona virus

Os chineses comem todos os bichos que têm as costas viradas pró céu. Cães, gatos, cobras, morcegos, etc..

Animais que não são reproduzidos e criados com normas de segurança próprias da indústria alimentar, isto é, vacinas, normas de higiene, alimentação certificada, etc.
Os vírus que esses animais possuem andam à solta nos mercados chineses… E, para cúmulo, até se transportam confortavelmente de avião, no corpo de turistas ou de pessoas repatriadas que procuram salvação nos países de origem…

Mais uma consequência da globalização…

Há uns anos atrás esses vírus também se deslocavam grandes distâncias, mas a bordo de pássaros de arribação. Eram viagens mais lentas para ocidente, que davam tempo aos laboratórios a encontrar vacinas que os combatessem. Quando cá chegavam só uma pequena percentagem dos ocidentais não vacinados era infetada.

Nem tão cedo irei comprar fruta naquela loja da chinesa simpática, não vá ela ter um primo infetado acabado de chegar da china, para a ajudar na loja…

Todo o cuidado é pouco.