Arquivo da categoria: Política

Morto por ter cão, morto por não o ter…

corona

Um cientista, médico de uma universidade norte americana, foi há pouco (28/03/2020, às 13 horas) entrevistado na CNN e disse o seguinte:

A morbilidade do Covi-19 tem sido calculada assim:

[número de mortos/número de infetados]

Ora, nós não sabemos o valor correto do denominador, pois muitíssimas pessoas podem ser portadores do vírus e não o saberem, isto é, podem estar infetadas sem o saber (os assintomáticos).

Isto prova que a morbilidade deste vírus é muito menor que os 3%-4% que têm sido calculados pelas autoridades.

Para que fosse possível calcular este rácio de uma forma mais precisa, os governos deveriam lançar um inquérito por amostragem representativa, fazendo testes às pessoas que caíssem na amostra, e de seguida inferir o valor mais correto da morbilidade.

Por outro lado as medidas de restrição à circulação de pessoas, encerramento de unidades produtivas, etc., sabe-se que vão provocar uma recessão económica de dimensão incalculável. Seguramente muito mais grave que a recente recessão conhecida por Subprime.

Esta recessão, que será conhecida certamente por Recessão Covid-19, vai criar condições de sobrevivência humana muito más, sobretudo às classes mais desfavorecidas, e com isso, morrerão milhões de pessoas. Essas mortes devem ser consideradas mortes indiretas do Covid-19 e, fazendo as contas, o valor final da morbilidade só pode subir. Fórmula:

[(número de mortos durante a epidemia + mortes da recessão)/número total de infetados]

Portanto não será assim tão estúpido defender a diminuição do rigor do confinamento em ordem a atenuar o impacto negativo na economia.

É claro que o número de mortes durante a epidemia vai ficar conotado com a habilidade ou inabilidade que o governo teve nas medidas que tomou para a combater, ao passo que as mortes durante a recessão vão ser consideradas por motivos económicos, sendo que os governos não tiveram meios para as combater.

 

Concentrado de memes de direita

Esta entrevista a Olavo de Carvalho é interessante de assistir pois sistematiza com clareza e de uma forma compacta o pensamento de Direita, no Brasil. Talvez não seja exagero acrescentar; e em todo o Mundo Ocidental.

Nele se encontram elementos, memes, que costumo encontrar nos textos de blogs da direita portuguesa.

A tese de que, a parir dos anos 60, as ideias de esquerda tomaram de assalto as universidades e os meios de comunicação de massas está aqui bem exposto. E considera que essa usurpação do poder de ensinar e de comunicar pela esquerda fez com que o debate público das ideias de direita fosse completamente silenciado…

O estilo do discurso vernáculo-ordinário que este “filósofo” usa, faz-me pensar que a Direita adotou esse estilo numa tentativa de captar para as suas hostes os elementos da população mais rudes, menos intelectuais e menos instruídas academicamente. Esses homens e mulheres que podem ser mais facilmente conduzidos num projeto messiânico. Seguir o líder por crer nele e não por defender suas ideias…

Esse estilo pode ser encontrado em Trump, Bolsonaro e até em Boris Johnson embora mais burilado.

Outra ideia chave que apresenta é a de que o comunismo degenerou numa esquerda defensora de todos os oprimidos, e não só dos oprimidos da classe operária. Segundo este senhor, a base de potenciais interessados numa política de esquerda foi ampliada, passando a incorporar outros oprimidos para além dos clássicos operários. A saber, as mulheres, os LGBT, e outras causas “fraturantes”.

E é espantoso quando ficamos a saber que a Direita Nacionalista Brasileira atribui aos grandes capitalistas a ampliação acima referida, sugerindo que o Grande Capital recuperou as ideias de esquerda para mais facilmente fazer negócios em certas áreas. Ou seja, o Grande Capital financia e surfa as ideias de esquerda para atingir seus objetivos de dominação.

Democracia e Saúde

corona gráfico

Nas democracias de inspiração anglo saxónica, qualquer medida que é necessário tomar a nível do governo central, está sujeita a dois andamentos antes de ser implementada:
1- Quanto custa?
2- Quem vai pagar?
Só depois de haver resposta concreta a estas duas perguntas é que se passa à fase de implementação.
Nos países em que há controlo do governo central sobre a emissão de moeda é muito mais fácil ter decisões céleres, pois a resposta, imediata, a ambas, é: “O Estado”.
Daí que tenha sido a China o país que rapidamente controlou a epidemia. Os 80.000 casos de contágio lá registados são uma gota de água no oceano, para uma população de 2.000.000.000. São cerca de 0,004% de população infetada. Em Itália são 8%! DUZENTAS VEZES MAIS!!!

A Itália foi visitada por 9.000.000 de turistas chineses no ano de 2019…

O preço da chantagem…

síria

A UE está hoje a dar 2.000.000.000€ por ano à Turquia para conter o fluxo migratório para a Europa a partir de lá. Eles agora dizem que o preço subiu para 5.000.000.000. Temos todos que pagar!

Ah! este aumento de preço tem a ver com o aumento previsível de fugitivos que querem agora atravessar a fronteira da Turquia, porque… ela, Turquia, começou a bombardear as casas desses fugitivos…

Não está nada mal pensado.

Conduzir sem matrículas

Quem coneto mouranduz calmamente um carro sem matrículas, à noite, está mesmo a por-se a jeito para ser preso pelo polícia, na operação stop.
Só não foi preso porque era juiz, e estamos num país da treta.
É que o final da história foi os polícias terem que pagar milhares de euros de indemnização, ao juiz,  pelo incómodo que teve em ter que parar numa operação stop! Conduzindo um carro sem matrículas… como se de um vulgar meliante se tratasse.

O que faria se os polícias tivessem apreendido o carro, como era seu dever…

Eutanásia…

pulseira eletrónicaDeixem-se de hipocrisias.
O que está aqui em causa é saber se uma pessoa com baixos rendimentos, estando em sofrimento extremo, tem ou não direito a decidir morrer caso o Estado não lhe queira pagar um tratamento que custa €30.000 / ano, todos os anos.
Não poder beneficiar de tal tratamento é equivalente a ser condenado ao Inferno, às chamas na companhia de um verme cornudo, até que a morte o os separe !!!

diaboConheço um caso desses em que os filhos do homem em sofrimento caíram na asneira de pô-lo num hospital privado. Seis meses depois a filha mais nova pôs o andar em que vivia à venda para pagar a conta do hospital. O filho mais novo não fez o mesmo porque a mulher não deixou. Tirem as vossas conclusões…

Portanto, sou pela defesa do Direito ao Suicídio. Que implica o desenvolvimento de kits (ver pulseira da imagem) de suicídio, fáceis de usar, em que fica evidente que a pessoa deseja um desses Kits usa-o sem auxílio de ninguém. Basta carregar no botão!

É sempre bom lembrar que HOMICÍDIO NÃO É A MESMA COISA QUE SUICÍDIO. Matarem-me não é a mesma coisa que eu matar-me.

Não mudei de opinião nos últimos 4 anos…

Rui Pinto & Isabel dos Santos

Rui PintoO Bigbrother está sempre à espreita. Sabe tudo o que se passa na internet, nos sms, no Instagram, no Tweeter, no Whatsapp, nas chamadas de voz. E sabe quem viaja daqui para ali, em que hotel fica, e quem mais estava nesse hotel. Ele, Bigbrother, deixa o marfim correr até ao dia que lhe convém dizer; “alto e para o baile!”.
É nesse dia que um miúdo super-dotado descobre (rouba) acidentalmente uma data de informação que compromete aqueles que o Bigbrother quer empurrar para fora da carroça.

Porém, roubar informação é crime, e essa informação deixa de poder ser usada contra quem a produziu. Para ultrapassar este incómodo, criou-se uma entidade que dá pelo nome de “Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação“. Serve para “lavar” o referido crime de roubo…
Como se formou este consórcio?. Só se sabe que não surgiu de uma operação transparente da democracia…

A Huawei tem as sua próprias portas para espiões e talvez tenha um chino-bigbrother só dela. Por isso o Tio Sam anda tão arreliado com a marca… não quer perder o monopólio das portas de espionagem…

Corrupção & Lavandaria Lda

isabel dos santosAs grandes broncas de Corrupção & Lavandaria cá do burgo só se sabem quando são internacionalizadas, como no caso BES. Caso que os megafones da Operação Marquês não conseguiram esconder. Veio a verificar-se que o Marquês é mais “Ricardo” que “Sócras”.
Pode ser que o Operação Luanda venha desencalhar de vez o processo Marquês. Talvez se venha a saber agora que não são só socialistas os autores de tanta lavagem…
Nestas questões de grande dimensão (muitos milhões), os primeiros a serem acusados são raia miúda, por cá representada pelo saloio sócras. Os fatos Armani não conseguem ocultar a sua origem…

Solimani – a estória contada por mim

Eu conto esta estória assim:

solimani

Os militares sunitas que ficaram no desemprego depois da morte de Sadam Hussein, encetaram um movimento de retomada do poder em 2007, logo a seguir à morte do ditador, que era sunita, e que tinha preenchido os principais lugares de poder no Iraque por homens sunitas.

Assim nasceu o autodenominado Estado Islâmico (EI). Geograficamente começou por ser um conjunto de manchas à volta de cidades habitadas por gente sunita. Essas manchas territoriais expandiram-se para a zona da Síria, que estava em guerra civil desde 2011, iniciada quando das primaveras árabes, e confiscaram poços de petróleo, bancos, e outros equipamentos que necessitavam para se financiar.

Entretanto os EUA instalaram-se militarmente no Iraque e promoveram aí a subida ao poder de um governo eleito democraticamente. Assim aconteceu. No governo assim formado refletiu aproximadamente as percentagens de sunitas e xiitas que habitam o Iraque. Ao contrário do regime de Sadam, esse governo tinha mais xiitas que sunitas.

O Irão prosseguia as iniciativas para expandir a sua influência política e religiosa na região. Manobrou, e conseguiu que as contradições no seio do governo iraquiano se saldassem num desentendimento grave. O governo demitiu-se e aquele que o substituiu já não incorporou elementos sunitas. A revolta dos sunitas nas ruas foi enorme, sucedendo-se bombas em locais públicos que matarem muitos xiitas e não só.

A principal forma que o Irão encontrou para expandir a sua influência no Iraque foi a de armar e financiar milícias xiitas de homens iraquianos. É aqui que surge Qassem Soleimani a dirigir essas milícias. Trata-se de um general iraniano (Persa) que se distinguiu na guerra Irão – Iraque (1980-88) como grande estratega (tinha 61 anos de idade quando morreu).

Entretanto deu-se um êxodo grande de sunitas da Arábia Saudita para os locais controlados pelo EI, eram homens e mulheres descontentes com a monarquia saudita e que viam com bons olhos a reconstituição do Grande Califado sunita, sob a forma de República Islâmica (e não monarquia), aonde imperasse a lei da sharia, em toda antiga região do Mediterrâneo.

A Arábia Saudita sentiu-se ameaçada, e seus aliados Norte Americanos também. Lançaram então uma cruzada contra o EI. Fizeram aliança com os curdos e com as milícia xiitas iraquianas. O comandante que mais se distinguiu nesta reação ao EI foi precisamente o General Qassem Soleimani. A partir daí foi considerado um “santo islâmico”, e era adorado tanto no Irão como no Iraque (pelos xiitas iranianos e iraquianos).

Portanto este general é iraniano e lutou ao lado dos EUA contra o EI (!). Vejam aqui…

Entretanto aproximou-se o dia das eleições nos EUA. O staff de Donald Trump percebeu que a popularidade dele estava a baixar quando só faltam nove meses para as eleições. Era necessário criar um facto bombástico que elevasse Donald Trump à categoria de herói (como aconteceu com Obama e Bin Laden). Deste vez a vítima foi Qassem Soleimani!!!

Os amigos fartaram-se de o avisar que não era seguro surfar nas redes sociais dos americanos…

Por agora, a Leste, nada de novo! Tudo continuará na mesma… Com um herói assim, quem se atreve a votar noutro homem para presidente?

 

Uns dias depois da morte deste homem, o Irão retalia, mas avisa primeiro, para ninguém se aleijar. Lança 12 misseis contra duas bases militares iraquianas, aonde estavam também uns soldados americanos a dar formação… Não provocou mortes nem feridos, mas classificou o ato como “Grande Vingança”.

Ah! e, para além dos mísseis também abateram um avião comercial com destino à Turquia, cheio de passageiros, entre os quais o expião ou mais expiões que eles queriam matar. Talvez aquele ou aqueles que organizaram a morte de Solimani. Esta sim, FOI A GRANDE VINGANÇA.