Pregar no deserto

É imoral o nível de impostos que uma sapataria paga. Não se percebe porque razão o empresário não a instalou na deserto do Sara. Lá, aonde não há estradas, nem água potável, nem esgotos, nem forças de segurança nem estruturas de saúde, etc., é sem dúvida um oásis para quem odeia impostos…
Só tem um problema. É que lá os sapatos têm pouca saída!

Pacotes de açucar

Os grandes economistas deste país nunca fizeram a conta às toneladas de açúcar que o país desperdiça quando deita no lixo milhões de pacotes desse bem importado, todos os dias.

Nem nunca fizeram a conta da fuga aos impostos que está oculta no simples gesto de usar carro de serviço em viagens privadas.

Os países desenvolvidos há muito fizeram essas contas e baniram esses e outros semelhantes desperdícios. É com razão que choram a rir da piada do António Costa! Nós outros temos que, simplesmente, chorar…

Os portugueses são uns pategos!

Rodriguinho

D’antes aos aumentos de produtividade correspondiam diminuições de horas de trabalho (semana inglesa, semana americana) necessária à construção de uma sociedade de consumo equitativa. Porém os grandes cérebros pensantes que tomaram decisões nas últimas décadas resolveram que isso estava errado, não obstante termos verificado nesse período aumentos de produtividade brutais (nunca antes vistos). Porque será?
Cheira-me a rodriguinho…